Objeto de desejo e muito caro

Preço alto não impede o crescimento das vendas do iPhone no Brasil, que agora deve ser produzido no País.

Fonte: Filipe Serrano – ESTADÃO.COM / LINK

Menos de um mês após a apresentação do iPhone 4S, o mais recente modelo do smartphone da Apple foi homologado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Agora, o início das vendas no Brasil depende dos detalhes da negociação entre empresa e operadoras. Nenhuma delas disse quando pretende iniciar a venda do telefone ou se ele chega ainda neste ano.
Pela primeira vez, o iPhone deve ter produção local aqui no Brasil. O certificado de homologação cita a unidade brasileira da Foxconn, em Jundiaí (a 60 quilômetros de São Paulo), como um dos dois lugares onde o aparelho é fabricado, além da unidade de Shenzen, na China.

Mas, enquanto as operadoras dos Estados Unidos vendem o telefone da Apple por a partir de US$ 199 (R$ 348) – e o 3GS gratuitamente (leia mais na reportagem abaixo) –, por aqui as empresas ainda não deram sinais de que vão adotar a mesma estratégia de preço baixo ou como a produção local vai reduzir o valor final do aparelho.

iPhone 4S 
EUA: US$ 199
Brasil: sem preço definido

O iPhone 4 é oferecido pelas operadoras brasileiras por preços que variam atualmente entre R$ 899 e R$ 2.159 conforme o plano, o que faz dele um dos aparelhos mais caros da categoria mesmo nos planos pós-pagos, em que as empresas costumam subsidiar o valor dos aparelhos. No caso da Vivo, há um plano especial só para o iPhone – com mensalidade maior – em que o celular tem um preço entre R$ 549 e R$ 1.449.

Na média, o preço do iPhone no Brasil está distante do valor gasto pelos brasileiros por um smartphone. Segundo a Nielsen, os consumidores pagaram em média R$ 569 por um aparelho do tipo no primeiro semestre, 17% a menos do que um ano antes (R$ 687).

Isso não impediu o aumento das vendas. O iPhone representa 10% dos smartphones vendidos no Brasil. Há um ano, ele tinha 5,8%. Seu principal concorrente, o Android, disparou, passando 2,8% para 39.4% e puxou os preços dos smartphones para baixo, com modelos mais em conta.

Para Thiago Moreira, diretor de Telecom da Nielsen Brasil, o impacto da carga tributária no País e os contratos com as operadoras são alguns dos responsáveis pelo preço alto. “A realidade dos mercados é diferente”, diz. “Lá nos EUA eles fizeram um preço agressivo porque têm os contratos com as operadoras. Aqui o iPhone sai nesse valor, mas ainda assim é um objeto de desejo. Você encontra aparelhos Android mais baratos, mas a Apple ainda é uma marca premium.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: