Polícia entra em confronto com manifestantes do “Ocupe Oakland” nos EUA

Fonte: DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS / FOLHA.COM

Policiais e manifestantes entraram em confronto na noite de terça-feira (horário local) em Oakland, na Califórnia, durante um protesto em resposta à repressão realizada horas antes contra um acampamento local do movimento “Ocupe Wall Street”.

Cerca de mil pessoas estavam reunidas em frente à sede da prefeitura, na praça Frank Ogawa, quando os choques tiveram início.

Policiais usaram bombas de gás lacrimogêneo para conter a multidão.

Kimihiro Hoshino/France Presse

Manifestantes socorrem colega atingido por bomba de gás lacrimogêneo

Testemunhas citadas pela agência Reuters informaram que dezenas de pessoas foram detidas durante a manifestação. O departamento de polícia de Oakland não quis se pronunciar sobre o caso.

Durante a manhã de terça, policiais dispersaram os cerca de 350 manifestantes que acampavam na praça Frank Ogawa há duas semanas.

Houve tumulto durante a retirada forçada dos manifestantes e ao menos 85 pessoas foram detidas.

A prefeitura informou em comunicado que havia advertido na quinta-feira passada os manifestantes para que não acampassem mais na praça. Outros avisos foram emitidos na sexta e segunda-feira.

Segundo a prefeitura, as manifestações serão permitidas apenas durante o dia no local.

Ben Margot/Associated Press

Vista de barracas em acampamento do “Ocupe Oakland” em frente à Prefeitura da cidade, no Estado da Califórnia

OCUPE WALL STREET

O protesto era uma versão do movimento lançado há mais de um mês em Nova York, chamado “Ocupe Wall Street”. As manifestações se concentram na indignação provocada pela ajuda do governo a grandes bancos e ao alto índice de desemprego persistente.

Centenas de manifestantes foram presos em Nova York desde o início dos protestos. Houve também prisões em outras cidades norte-americanas.

Na semana passada, a polícia de Chicago prendeu 130 manifestantes em Grant Park, local de manifestações durante a convenção democrata de 1968, e outras 15 pessoas em um protesto na Filadélfia.

Não se deve “ter prazer” com imagens da morte de Gaddafi, diz Obama

Fonte: DA REUTERS / Folha.com

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, comentou num programa de TV exibido na terça-feira à noite a transmissão de imagens da morte do ditador líbio Muammar Gaddafi, dizendo que mesmo quem fez “coisas terríveis” merece decoro na hora da morte.

Gaddafi foi enterrado em um local secreto na terça-feira, cinco dias depois de ser capturado, morto e exposto à visitação pública. O ex-líder foi visto em vídeo sendo zombado, espancado e submetido a abusos antes de morrer.

“Isso é algo em que acho que não devemos sentir prazer (vendo)”, disse Obama no programa “Tonight Show”, de Jay Leno, na NBC, quando questionado sobre o que achava das imagens. “Acho que existe um certo decoro com o qual se trata os mortos, mesmo se for alguém que fez coisas terríveis”.

Obama observou que seu governo não havia divulgado uma fotografia do líder da rede terrorista Al Qaeda, Osama bin Laden, depois que os comandos norte-americanos o mataram no Paquistão em meados deste ano.

Confira as novas imagens de Gaddafi pelo link abaixo

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=dkucejH5LFA&noredirect=1&oref=http%3A%2F%2Fs.ytimg.com%2Fyt%2Fswfbin%2Fwatch_as3-vflrxV6uT.swf&has_verified=1&skipcontrinter=1

O presidente disse que Gaddafi não aproveitou a chance de levar a democracia a seu país.

“Ninguém gosta de ver alguém ter o fim que ele teve, mas acho que isso obviamente envia uma forte mensagem a todos os ditadores do mundo, de que as pessoas anseiam por liberdade”, disse Obama.

“Ele teve uma oportunidade durante a Primavera Árabe para finalmente reduzir seu controle sobre o poder e fazer uma transição pacífica para a democracia. Nós lhe demos amplas oportunidades, e ele não as aproveitou”.

Obama se encontra em turnê por Estados do oeste com paradas em Nevada, Califórnia e Colorado, mesclando as tarefas da Casa Branca com eventos para sua campanha de reeleição em 2012.