iPad news apps may diminish newspaper print subscriptions in 2011

 Source: University of Missouri – EUA

The Reynolds Journalism Institute (RJI) recently completed the first phase of a multi-year research project to understand how Apple iPad users consume news content. This initial phase was a cross-sectional survey with 20 questions conducted online from the beginning of September through the end of November. The RJI plans to conduct at least two follow-up panel surveys and another cross-sectional survey in 2011. The project is funded by the Digital Publishing Alliance (DPA), a member-supported initiative of the RJI.

Based on the responses gathered from more than 1,600 iPad users, here is what we have learned:

Users are predominantly well-educated, affluent men between the ages of 35 and 64 who tend to be early adopters.

  • More than four-fifths (80.2%) of the responding users are men.
  • More than half of all respondents (55.6%) report a household income of at least $100,000 a year.
  • More than three quarters (76.3%) have at least a bachelor’s degree, with 38% of all respondents with at least a master’s degree.
  • More than two-thirds (69.5%) are between the ages of 35 and 64. The average age of all respondents is 48.
  • Nearly half (44.6%) of the respondents were early adopters, acquiring their iPads in April or May 2010.

Overall satisfaction and time spent with the iPad are very high.

  • More than nine out of 10 respondents rated their overall satisfaction as either very satisfied (70.2%) or somewhat satisfied (23.4%).
  • More than three-quarters (76.1%) indicated that they are very likely to recommend the iPad to a friend or relative.
  • More than six out of 10 (62.7%) reported that they spent more than an hour during a typical day with their iPad, with nearly three out of 10 (28.3%) saying they used their iPad more than two hours a day.
  • Nearly nine out of 10 (89.0%) indicated that they use their iPad throughout the week, with nearly three-quarters (73.1%) reporting that they use it most frequently at home.

Keeping up with news and current events is their most popular main use.

  • Using the iPad to follow breaking news reports and current events is the most popular use for the device, with 84.4% of respondents saying this is one of their main uses. Next according to popularity: leisure reading of books, newspapers and magazines (81.5%); browsing the Web (80.8%); and e-mail (75.8%).
  • More than three quarters (78.6%) of the users spent at least 30 minutes during a typical day consuming news on their iPad. Respondents spent a similar amount of time with other media at a much lower rate: television (52.5%), personal computers (50.7%), printed Sunday newspapers (30.7%), printed weekday newspapers (18.8%).
  • Nearly half (48.9%) of the respondents said they spent an hour or more during a typical day consuming news on their iPad.

iPad news consumers prefer newspaper apps to newspaper websites; less likely to use print.

  • The vast majority of those who read at least an hour’s worth of news on their iPads each day — more than nine out of 10 — said they are either very likely (71.8%) or somewhat likely (21.2%) to use a newspaper’s app for reading news and feature stories as opposed to using a Web browser to navigate the newspaper’s website. The trend is similar even among lighter iPad news users, suggesting that users who consume news on the iPad tend to prefer to do so using an app.
  • Users who consume news regularly do so across multiple media. However, correlation analysis shows that the more one uses the iPad for news consumption, the less he or she uses printed newspapers. While these negative correlations between iPad news use and printed newspaper use aren’t incredibly strong, they are statistically significant.
  • Among the 931 respondents who indicated that they currently subscribe to print newspapers, there is a statistically significant, moderately strong, positive correlation between iPad news consumption and the likelihood of canceling their print subscriptions. For example, more than half (58.1%) of the respondents who subscribe to printed newspapers and use their iPad at least an hour a day for news said they are very likely to cancel their print subscriptions within the next six months.
  • More than three out of 10 (30.6%) respondents indicated that they do not subscribe to printed newspapers, with another one out of 10 (10.7%) saying that they had already canceled their subscriptions to printed newspapers and switched to reading digital newspapers on their iPad.
  • The more one uses the iPad to consume news, the more one is likely to use other digital media for news.
  • About six out of 10 respondents implied that they had used an e-reader for some period of time prior to taking the survey. Of those, about 30% indicated that they had used it to consume news during a typical day.
  • About three-quarters of the respondents implied that they had used an iPhone. Of those, about 70% indicated that they had used it to consume news during a typical day. About two-thirds implied that they had used a smartphone other than an iPhone. Of those, about 50% indicated that they had used it to consume news during a typical day. (Note: The overlapping data for iPhones and smartphones suggest that about half of the respondents have used both types of mobile phone either simultaneously or sequentially for some period of time prior to taking the survey.)
  • Nearly nine out of 10 respondents (89.2%) said they used a personal computer for some period of time during a typical day to consume news.
  • Nearly all of the respondents (99%) indicated that they used their iPad for some period of time during a typical day to consume news.

Positive iPad reading experience influenced by age, traditional media habits.

  • Users were asked to rate their reading experience on the iPad compared to other media on a five-point scale (1=Much worse than, 5=Much better than). Reading experiences with the iPad, on average, were rated as being somewhat better than or about the same as their reading experiences with printed newspapers or magazines and personal computers. Nearly half of the respondents rated their experience with reading on the iPad as much better than their reading experiences with iPhones (48.1%) or other smartphones (47.2%).
  • Age of the user influences how one rates reading experience on the iPad compared to other media. For example, the older the users, the more likely they are to rate their reading experience on the iPad worse than their reading experience with printed newspapers and magazines. On the other hand, older users also tend to rate their iPad reading experience much better than electronic devices with smaller screens, such as iPhones, smartphones, and netbooks.
  • As might be expected, comparative media experience was strongly related to traditional media use, particularly with newspapers. For example, the more that respondents had read printed newspapers in the past 30 days, the worse they rated iPad reading experience compared to reading a printed newspaper.

Low prices and ease of use are key factors in users’ decisions to purchase newspaper subscriptions on the iPad.

  • When asked in an open-ended question what factors would influence the users’ decisions to purchase news apps or newspaper subscriptions on their iPad, “a price lower than the price of a print subscription” was mentioned most often. Users also indicated that they want a very easy-to-use and reliable app, with access to at least all the content available in the printed edition. While respondents mention video and interactive features, they are much less commonly expressed in the survey than the aforementioned issues.
  • We also asked users which news organizations have come closest to meeting their expectations on the iPad. Among the most popular responses: The New York Times, USA Today, The Associated Press, and The Wall Street Journal.

NOTES:

  • A deeper analysis of the initial survey data and open-ended questions will be published at a later date.
  • Of the 1,609 respondents, 1,122 indicated that they would be interested in participating in the follow-up panel surveys planned for 2011.
  • Based on the postal codes provided by respondents and the geodata attached to files, about 92% of respondents were located in the United States. All 50 states plus the District of Columbia, Puerto Rico and Guam are represented. The non-US respondents (8%) were located in at least 49 countries. 
  • Apple iPad users were recruited through stories and links posted on multiple websites. We are especially grateful to The Associated Press for putting a promo with a hyperlink to the survey on its iPad app in October and November.
  • This research project is headed by Roger Fidler, RJI Program Director for Digital Publishing and DPA coordinator. Adam Maksl, a Ph.D. student in the Missouri School of Journalism, is assisting with the data analysis and survey design. For more information, please contact Fidler at fidlerr@rjionline.org.
  • This survey was powered by SurveyGizmo.

Fonte: http://www.rjionline.org

Anúncios

iPad como fonte de informação

Fonte: Por Fernando Martines LINK  Estadão.com

Pesquisa analisou hábitos de leitura de notícias no iPad. FOTO: Luke MacGregor/REUTERS

O que os usuários do iPad acham do aparelho? Para saber essa questão e, mais especificamente, o nível de satisfação dessas pessoas quanto ao uso do tablet para acompanhar notícias, uma equipe da Escola de Jornalismo de Missouri realizou uma pesquisa com 1.609 donos de iPad e constatou que os usuários estão satisfeitos com o produto, que ele é usado na maior parte do tempo para o consumo de notícias e que muitos dos que ainda mantêm uma assinatura de um jornal impresso já cogitam cancelá-la e ficar apenas no digital.

Acompanhe pesquisa completa em Inglês  no caderno Internacional/ News in English

Nível de satisfação e tempo gasto

– Mais de nove entre dez se dizem satisfeitos: 70,2% muito satisfeitos e 23,4% um pouco satisfeitos.

– 76,1% estão muito inclinados a recomendar o iPad para um amigo.

– 62,7% gastam mais de uma hora de um dia regular usando o iPad e 28,3% passam mais e duas horas.

Modos de usar

– Acompanhar notícias recentes e grandes eventos que estão ocorrendo é o principal uso do iPad, com 84,4%; ler livros, jornais e revistas vem em seguida com 81,5%; navegar pela internet com 80,8%; e checar e responder e-mails 75,8%.

– Mais de três quartos, 78,6%, passam 30 minutos de seu dia lendo notícias no iPad. Os entrevistados responderam em quais outras mídias eles gastavam o mesmo tempo consumindo notícias, e as porcentagens foram bem menores: televisão (52,5%), computadores (50,7%), edição de domingo do jornal impresso (30,7%) e edição normal do jornal impresso (18,8%).

– Quase metade (48,9%) passam uma hora ou mais usando o iPad especificamente para consumir notícias.

Para ler notícias

– Mais de nove entre dez se mostraram inclinados a consumir as notícias de um veículo por de seu aplicativo em vez de navegar pelo site (71,8% estão muito dispostos e 21,2% estão medianamente dispostos).

– 931 entrevistados afirmaram serem assinantes de um jornal impresso . Mais da metade (58,1%) dos entrevistados que assinam jornal impresso e usam o iPad para ler notícias durante mais de uma hora do dia estão muito dispostos a cancelar a assinatura do jornal impresso.

– 10,7% dos entrevistados afirmaram que cancelaram suas assinaturas de jornal e passaram a ler as notícias apenas no iPad.

Natal de 2010 será o melhor da década

Apesar do arrocho do crédito, vendas devem bater recorde e superar R$ 96 bilhões.

Fonte:Márcia De Chiara, de O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO – Com o crédito crescendo na casa de 25%, a projeção inicial de Vale era que as vendas do comércio ampliado neste mês atingissem R$ 98 bilhões. Agora ele reduziu a projeção de vendas para R$ 96,2 bilhões, levando em conta que o ritmo de crescimento do crédito ao consumo diminua para algo entre 15% e 20%. Com isso, o faturamento cresce em dezembro R$ 3,3 bilhões ou 3,5% na comparação o mesmo mês de 2009.

“O grande desafio fica para 2011”, afirma o vice-presidente comercial do Walmart, José Rafael Vasquez. Ele diz que, por enquanto, a rede registra crescimento de dois dígitos nas vendas em relação a dezembro de 2009. “Hoje a taxa está muito mais próxima de 20% do que 10%”, diz, ressaltando que não mudou as condições de crédito.

O Magazine Luiza é outra rede que está em ritmo acelerado. A empresa fatura neste mês entre 25% e 30% a mais em relação a dezembro de 2009, considerando as mesmas lojas. Marcelo Silva, superintendente da rede, diz que as condições de crédito estão mantidas e observa que hoje, mais importante do que a taxa de juros, é o aumento do nível de emprego como motor das vendas. De toda forma, o radar da presidente do grupo, Luiza Helena Trajano, já captou mudanças. “Para 2011, como será primeiro ano de novo governo, alguma freada vai ter, mas nada que mude o pilar da economia.”

Rodolfo França Jr., diretor da Máquina de Vendas, conta que as metas da rede para 2011 serão traçadas só depois do Natal. Por enquanto a rede mantém as condições do crediário, como taxas de juros e prazos, mesmo tendo de sacrificar margens para não perder vendas. “Vamos segurar um pouco”, diz ele.

Na análise de Caio Ortiz, vice-presidente da Semp Toshiba, que produz TVs, o pacote de crédito que atingiu em cheio os carros pode beneficiar o seu setor, com a migração para a compra de TV de LCD e notebooks.

À vista

Com mais renda, confiança no emprego, o consumidor começa a privilegiar as compras à vista em detrimento do crediário. Dados da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostram que as consultas para compras com cheque subiram 18% até o dia 9 deste mês em relação a igual período de 2009. Enquanto isso, as consultas para o crediário cresceram 10,4%. Até o mês passado, o crediário crescia mais que a venda à vista. Essa inversão não reflete ainda, segundo o economista da ACSP, Marcel Solimeo, o efeito do pacote para tirar a euforia do consumo. 

Petrobras faz oferta para ser líder em etanol

Fonte: Folha.com

Num negócio avaliado em cerca de R$ 3 bilhões, a Petrobras fez oferta de compra de 40% da ETH, empresa da Odebrecht no segmento de álcool combustível. Em concorrência com petroleiras internacionais, a estatal visa a liderança do mercado brasileiro de etanol.

Com o dinheiro da Petrobras, a vice-líder ETH pode se tornar nos próximos anos a maior produtora global de álcool –posição que atualmente pertence à Cosan, empresa que conta com a participação da anglo-holandesa Shell. A inglesa BP é outro concorrente de peso.

Petrobras e Odebrecht não comentaram o negócio. Essa não é a primeira sociedade da estatal com a empreiteira. Juntas, formaram uma gigante na área petroquímica, têm parceria em fábrica de plástico verde e participam de projeto de mega-alcoolduto.

O plano de investimento da ETH rumo à liderança prevê a aplicação de R$ 3,5 bilhões até 2012, ano em que as nove usinas do grupo devem estar em operação.

Multinacionais como a Shell e a BP foram mais rápidas que a Petrobras e investiram antes no setor de álcool nacional.

Veja prós e contras de comprar carro zero em dezembro e em janeiro

Fonte: G1

Especialistas dão dicas sobre como aproveitar melhor as promoções.
Segundo eles, fim do ano tem mais opções, mas janeiro ganha em preço.

Comprar o carro agora, em dezembro, ou deixar para janeiro? A pergunta é muito comum entre os consumidores que querem aproveitar o 13º salário para começar 2011 com automóvel novo. Especialistas consultados pelo G1 afirmam que não existe a “melhor data”: tudo vai depender do que o consumidor quer. Os dois meses trazem vantagens e desvantagens. Mas o primeiro ponto a ser levado em consideração é a disponibilidade de produto no mercado. Se deixar a compra para janeiro, o consumidor pode não encontrar exatamente o que procurava.

                                                                      

De acordo com o professor de Economia da FGV-EAESP, Evaldo Alves, em janeiro o interessado corre o risco de não ter disponível o veículo na cor e com os itens de série específicos que deseja. “A oferta é menor do que em dezembro, então tem menos diversidade”, explica.

Por outro lado, apesar de dezembro ter mais veículos em estoque, os preços sobem e os prazos para financiamento diminuem. Tudo isso por causa da alta procura estimulada pelo 13º salário. “Em dezembro, você pode até conseguir algum bônus, caso a montadora não tenha atingido sua meta para o ano, mas, no geral, muitos benefícios que reduzem o preço final do carro ficam mais difíceis de conseguir”, destaca Alves, que também alerta para a redução das promoções no fim do ano.

O ‘fantasma’ do carro 2010
Tanto o mês de dezembro quanto o de janeiro são acompanhados pelo “fantasma” do carro 2010. Ao contrário do que muitos pensam, de acordo com o professor de Finanças da Brazilian Business School, Rodrigo Rasga, o modelo fabricado no ano que está terminando ou que acabou recentemente não será mais desvalorizado na revenda. “As montadoras, de forma geral, já antecipam o modelo 2011 para produção em 2010, por exemplo. Isso é feito há muitos anos. Então, não se perde nada em relação ao modelo”, destaca Rasga.

Porém, ao considerar os impostos, segundo o professor, é mais vantajoso comprar o carro em janeiro do que em dezembro. “Se você compra no ano seguinte, vai usufruir do IPVA durante o ano inteiro de 2011. Mas, se você compra em 2010, vai ter que pagar também o imposto desse ano [proporcional, ou seja, 1/12 do valor do IPVA, na compra em dezembro]”, destaca o professor da Brazilian Business School.

Financiamento no longo prazo é risco
Pagar o carro à vista, com ajuda do 13º salário, é a opção mais recomendável, diz Evaldo Alves,  porque permite uma margem maior de desconto. “Nesse caso, o poder de barganha na concessionária é muito maior”, diz o professor da FGV-EAESP.

Se quitar tudo de uma vez não for possível, então o conselho dos especialistas é conseguir pagar o máximo possível na entrada. Até porque as restrições de crédito para este final de ano estão maiores por causa da decisão do Banco Central de aumentar o compulsório e restringir os empréstimos de longo prazo.

De acordo com Rodrigo Rasga, mesmo com o crédito aprovado, o risco é muito grande de se fazer financiamentos em longo prazo, como aqueles oferecidos para 72 meses. “É uma forma financeiramente perigosa”, avalia. Evaldo Alves aconselha financiar o veículo em, no máximo, 36 meses e com o cuidado de não comprometer mais de 30% da renda. “Por isso uma boa entrada é muito importante. Além de reduzir o valor do financiamento e o número das parcelas, o consumidor paga menos juros, que no Brasil são muito altos”, explica Alves.

E se não for possível comprar um carro novo à vista, mas o dinheiro economizado garantir a aquisição de um modelo seminovo ou até mesmo usado, Rasga recomenda avaliar esta opção. Segundo ele, o mercado de usados está extremamente desvalorizado, justamente por causa das facilidades no mercado de novos. Assim, as chances de se encontrar um carro em bom estado e com preço vantajoso são grandes.

Novas cédulas do real começam a circular na próxima semana, diz BC

  Fonte: G1.com / Folha.com

Primeiros modelos a circular serão de R$ 50 e R$ 100, informou BC.
Cerimônia marca lançamento da nova família do real na próxima segunda.

O Banco Central informou nesta sexta-feira (10) que a segunda família de cédulas do real começará a circular na próxima segunda-feira (13). Os primeiros modelos em circulação serão as notas de R$ 50 e R$ 100.

Divulgação Folha.com                                                                                                                                                                                          Novas cédulas de R$ 50 e de R$ 100 são as primeiras a circular no país, informou o BC; as demais ficam para 2012. 

As novas notas entrarão em circulação por meio dos bancos comerciais, sendo que as cédulas atuais continuarão valendo e somente serão retiradas de circulação em decorrência do desgaste natural, informou o Banco Central. As novas notas custam cerca de 25% a mais do que os modelos antigos, segundo informações da autoridade monetária.

Na nova cédula de R$ 100, permanece a garoupa de um lado e a efígie da República, do outro. Na nota nota de R$ 50, continuam a onça pintada e efígie da República. Os animais, porém, estão na posição horizontal. No modelo atual, aparecem na posição vertical. As mudanças são tecnológicas e de design, mas o BC afirmou que todos os animais representados nas notas atuais continuarão a figurar nas novas versões.

Segundo a autoridade monetária, as novas cédulas também atenderão a uma demanda dos deficientes visuais, que tinham dificuldades em identificar os valores nas notas atualmente em circulação. “Com tamanhos diferenciados e marcas táteis em relevo aprimoradas em relação às atuais, a nova família de cédulas facilitará a vida dessa importante parcela da população”, informou a instituição.

Quando foi anunciado o projeto da segunda família de cédulas do real, em fevereiro deste ano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou que os novos modelos seguiriam um padrão internacional que dificultará a falsificação. Segundo disse ele na ocasião, os novos modelos de notas também auxiliam na “internacionalização” da moeda brasileira.

CORES

As novas notas mantiveram as mesmas cores das antigas e os mesmos animais. Os tamanhos serão diferentes, a de R$ 2 é a menor, a de R$ 5 um pouco maior, e assim sucessivamente, a exemplo do euro.

A frente da cédula está visualmente mais limpa, mantida a efígie da República. A cédula ganhou, do lado direito, uma faixa com o valor da nota escrito e, do lado esquerdo, um grafismo com figuras do habitat de cada animal –a nota de R$ 100, por exemplo, que tem uma garoupa no verso, ganhou na frente figuras que remetem ao mar.

No verso, as figuras de animais foram modificadas e estão agora na horizontal. A nota de R$ 50, por exemplo, traz a mesma figura da onça pintada, agora deitada sobre uma pedra.                                                                                

                                                                                                                                                     Divulgação Folha.com

Novas cédulas do real terão tamanhos diferentes; de acordo com valor, como ocorre com outras moedas