Irlanda vai ter que cortar gastos de 10% do PIB

Cerca de 20 mil funcionários públicos podem ser demitidos e o salário mínimo deve ser reduzido.

Fonte: Revista Exame –  

Dublin – O resgate de até 90 bilhões de euros à Irlanda vai sair caro para o país. Em troca do pacote, o governo será obrigado a cortar gastos equivalentes a 10% do Produto Interno Bruto (PIB), o que promete ter um impacto profundo na recuperação imediata da economia. Cerca de 20 mil funcionários públicos podem ser demitidos e o salário mínimo deve ser reduzido.

Ontem, o ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, deixou claro que o dinheiro não seria entregue sem algumas condições. “A Irlanda terá de atender a certas exigências e essas condições serão negociadas nos próximos dias. A meta é de que não apenas um dinheiro seja dado, mas que os problemas sejam resolvidos”, disse. 

O pacote deve ganhar seu formato final nos próximos dias. Mas já se sabe que, se a Irlanda não cumprir os requisitos estipulados, o Fundo Monetário Internacional (FMI) terá o direito de intervir a cada trimestre como faz no caso grego e exigir mudanças em leis e novas medidas de austeridade fiscal. 

“As autoridades europeias concordaram com nosso pedido. Um processo formal de negociação começará nos próximos dias”, afirmou o primeiro-ministro irlandês, Brian Cowen. “Espero que um acordo seja concluído em breve”, completou. Para os europeus, porém, parte da negociação depende explicitamente do que os irlandeses farão para reduzir seu déficit de 11,6% do PIB em 2010 para 3% em 2014.

O governo promete cortes de gastos de 6 bilhões em 2011 e mais 9 bilhões de euros entre 2012 e 2014. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

China tenta acalmar expectativas de inflação

Governo chinês voltou a assegurar que a inflação continuará sendo combatida no país.

Fonte: – Revista Exame.com –  Aileen Wang e Alan Wheatley, da

Pequim – A China procurou nesta segunda-feira assegurar que a inflação continuará sendo combatida, expressando confiança de que os amplos estoques de grãos e o excesso de capacidade industrial limitarão as pressões de preços.

Economistas disseram que o esforço para gerenciar as expectativas de inflação tem o objetivo de reforçar a série de medidas tomadas nos últimos dias para conter a alta dos preços, como o aumento do depósito compulsório de bancos.

“Nós podemos entender as preocupações dos residentes sobre a alta relativamente rápida nos preços de alimentos e outras necessidades diárias”, disse a agência de planejamento econômico da China.

“Mas nós também temos a confiança para dizer que nosso país tem a capacidade e as condições para manter os preços em geral em um nível estável.”

Destacando sua importância, a declaração da agência foi publicada na primeira página do People’s Daily, jornal oficial do Partido Comunista.

O governo seguiu o acréscimo de 0,5 ponto percentual no depósito compulsório dos bancos ao fornecer mais detalhes sobre as medidas administrativas que está criando para conter a inflação.

Pedágios para veículos transportando produtos frescos serão descartados a partir de 1o de dezembro, e as autoridades locais terão de garantir que os preços de energia e transporte para produtores de fertilizantes sejam reduzidos, disse a mídia estatal.

Os governos regionais também terão de garantir um fornecimento estável de carvão e petróleo.