Petrobras tem alta de 8% no lucro para R$ 8,5 bi

Fonte:  CIRILO JUNIOR – Rio de Janeiro – Folha.com

A Petrobras registrou lucro líquido de R$ 8,566 bilhões no terceiro trimestre deste ano, alta de 3% frente ao que fora observado no segundo trimestre e de 7,9% sobre igual período de 2009.

De janeiro a setembro, a estatal acumula lucro de R$ 24,588 bilhões, alta de 10% sobre os R$ 22,390 bilhões constatados nos nove primeiros meses do ano passado.

O resultado foi influenciado pelo aumento do petróleo tipo Brent, que variou 35% em nove meses, além do aumento do volume de vendas de derivados –13% no mesmo período– e efeito cambial positivo.

A receita líquida atingiu R$ 54,739 bilhões no terceiro trimestre, um acréscimo de 2% na comparação com segundo trimestre.

No acumulado do ano, essa receita foi de R$ 158,782 bilhões, 17% a mais do que os R$ 135,138 bilhões de intervalo de tempo semelhante em 2009.

O Ebitda (lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização) de julho a setembro somou R$ 14,736 bilhões, 7% abaixo dos R$ 15,927 bilhões do segundo trimestre. De janeiro a setembro, ficou em R$ 45,739 bilhões, alta de 1% em relação ao mesmo período do ano passado –R$ 45,185 bilhões.

A média de produção da companhia nos nove primeiros meses foi de 2,322 milhões de barris de petróleo e gás em campos nacionais e internacionais, apresentando alta de 2% sobre o registrado no mesmo período do ano anterior.

Os investimentos da Petrobras nos nove primeiros meses de 2010 totalizaram R$ 56,5 bilhões, 11% a mais do que o registrado em igual período de 2009.

CAPITALIZAÇÃO

No comunicado ao mercado, o presidente da estatal, José Sergio Gabrielli, resaltou a operação de capitalização da emdpresa, ocorrida neste trimestre. Segundo “com o sucesso desta operação, conseguimos reduzir em 39% o nosso endividamento líquido, resultando numa redução da alavancagem líquida de 34% para 16%. O capital social passou de R$ 85 bilhões para mais de R$ 200 bilhões. O planejamento financeiro baseado na manutenção da alavancagem dentro das metas, garante que, com essa captação de recursos, a companhia se fortaleça e se prepare, ainda mais, para o desenvolvimento do seu Plano de Negócios”, afirmou.

Gabrielli destacou ainda que “hoje, a Petrobras ocupa o quarto lugar no ranking das 250 principais empresas globais de energia, divulgado pela agência Platts”.

Silvio Santos pode ter que vender sua parte no PanAmericano, diz Meirelles

      

 Imagen – Google.com/images

Fonte: Reuters – Folha.com

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, sinalizou nesta quinta-feira que o Grupo Silvio Santos poderá ter que se desfazer do controle do Banco PanAmericano para pagar a dívida com o FGC (Fundo Garantidor de Créditos).

Na noite de terça-feira, o PanAmericano anunciou a injeção de R$ 2,5 bilhões no banco pelo Grupo Silvio Santos, que está tomando um empréstimo do FGC. Como garantia, o empresário colocou seu patrimônio, o que inclui sua parte no banco, o SBT e o Baú da Felicidade, entre as 44 empresas.

O aporte no PanAmericano foi necessário após a identificação de que o banco mantinha em seu balanço como ativos carteiras de crédito que já haviam sido vendidas a outros bancos. Também houve duplicação de registros de venda de carteiras. Com isso, o resultado da instituição financeira era inflado.

“O Grupo Silvio Santos entregou como garantia do empréstimo todo o seu patrimônio empresarial, inclusive a participação acionária no banco. É plausísvel se pensar que, para viabilizar os recursos para o pagamento do empréstimo, uma das medidas possa ser certamente a venda da participação acionária no banco”, disse Meirelles.

O presidente do BC acrescentou que é possível que a Caixa Econômica Federal –que em dezembro de 2009 comprou 49% do capital votante do PanAmericano– irá gerir o PanAmericano com um outro sócio, na medida em que o controlador talvez tenha que vender sua participação no banco para pagar o FGC.

A Caixa descarta colocar mais dinheiro no Panamericano e também assumir o controle do banco, segundo uma fonte com conhecimento do assunto, sob condição de anonimato.

As ações do Panamericano subiam 7,96% às 14h, a R$ 5,15, depois de terem desabado 29,2% na quarta-feira.

A diretoria de Fiscalização do BC calcula que, caso a liquidação do PanAmericano fosse declarada, o rombo atingiria R$ 900 milhões, já que o patrimônio atual da instituição financeira é avaliado em R$ 1,6 bilhão. Ou seja, seriam deduzidos da conta as irregularidades que somam R$ 2,5 bilhões, valor coberto pelo aporte do Grupo Silvio Santos.

Mais cedo, Meirelles destacou o fato de que não houve uso do dinheiro público para resolver os problemas financeiros do banco PanAmericano.

“Foi solucionado o problema sem o uso de um centavo público. Foi preservado o patrimônio dos acionistas minoritários, da Caixa Econômica Federal, e dos depositantes do banco. O Banco Central seguiu todas as normas legais de prazos, agiu a tempo e na hora. Não tem similaridade com o Proer”, afirmou ele, fazendo referência ao programa brasileiro dos anos 1990 de socorro a bancos.

“O Banco Central pode decretar a liquidação, mas pode determinar medidas preventivas. O banco continua a vida normal. Os depositantes estão livres para sacar seus recursos e depositares se quiserem. Não é uma solução usual hoje no mundo. Sem perda para depositantes e o poder público”, acrescentou.

SILVIO SANTOS

O Grupo Silvio Santos, o acionista principal do PanAmericano, anunciou que deve colocar R$ 2,5 bilhões no banco para cobrir um prejuízo causado por uma fraude contábil. Em seu comunicado oficial, a diretoria do banco menciona “inconsistências contábeis”.

O BC descobriu que o PanAmericano vendeu carteiras de crédito para outras instituições financeiras, mas continuou contabilizando esses recursos como parte do seu patrimônio. O problema foi detectado há poucos meses e houve uma negociação para evitar a quebra da instituição, já que o rombo era bilionário.

A quebra só foi evitada após o Grupo Silvio Santos assumir integralmente a responsabilidade pelo problema e oferecer os seus bens para conseguir um empréstimo nesse valor junto ao Fundo Garantidor de Crédito. Como o fundo é uma entidade privada, não houve utilização de recursos públicos. Além disso, a Caixa Econômica Federal, que também faz parte do bloco de controle, não terá de arcar com a perda.

CONSUMO POPULAR

O banco PanAmericano é, no jargão do mercado, uma “financeira”, uma empresa focada no fornecimento de crédito para o consumo popular. Até junho deste ano, instituição possuía uma carteira de empréstimos de R$ 10,9 bilhões, bem como uma base de 12,3 milhões de cartões de crédito emitidos.

A carteira de clientes alcançava 16,9 milhões de cadastros, sendo 2,1 milhões de “ativos” (com empréstimos em aberto). O Panamericano contava ainda com uma estrutura de 203 pontos de venda (até o primeiro semestre de ano), além de aproximadamente 20 mil parceiros comerciais, distribuídos por 85% do território nacional –a maior parte (52%) na região Sudeste e Sul (11%).

O balanço financeiro mais recente mostra que o banco amargou um prejuízo de R$ 20,9 milhões no segundo trimestre, ante um lucro de R$ 51 milhões um ano antes.

Mundo irá a falência se não estimular consumo, diz Lula

Presidente pede que países tomem decisões pensando nas consequências para as economias mais fracas.

Fonte EFE – Agências Internacionais – Img 

  Seul .- O presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou nesta quinta-feira uma clara advertência aos países desenvolvidos de que, se eles não aumentarem o consumo, a economia global “pode ir à falência”.

“Existe uma visível contradição: por um lado temos economias emergentes, inclusive o Brasil, tomando medidas para aumentar seu consumo (interno), e do outro lado, os países mais ricos, que não estão consumindo, não querem comprar, só querem vender”, destacou.

“Se todo mundo vende, quem vai comprar?”, questionou o governante brasileiro.

Lula reiterou sua acusação de que tanto China quanto Estados Unidos estão desvalorizando suas moedas para promover as exportações como forma de saída rápida à crise em lugar de aumentar o consumo interno e criar emprego.

O presidente ressaltou que com 20% do Produto Interno Bruto (PIB) global, as economias emergentes não podem ser as responsáveis por aumentar a demanda no mundo, já que as economias mais ricas detêm os 80% restantes.

Ele reconheceu que a guerra cambial é um dos temas centrais do debate da cúpula que começa nesta quinta e termina na sexta-feira. Para ele, se não houver uma solução, os países adotarão o protecionismo.

Em um encontro com jornalistas em seu hotel de Seul, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que acompanhava Lula, afirmou que a China continua praticando esta política de desvalorização há anos, quando era um país em desenvolvimento, mas agora que o país asiático é uma potência econômica, essa política não tem justificativa.

“A China precisa aumentar seu consumo interno”, acrescentou Lula.

Os dois criticaram a injeção de US$ 600 bilhões na economia pelo Fed (banco central americano), pois desvalorizará o dólar.

“Não podemos tomar decisões pensando somente em nós, sem levar em consideração o impacto que elas podem ter em outros países menores e em economias mais fracas”, assinalou Lula antes do início formal da Cúpula do Grupo dos Vinte (G20, bloco de países ricos e principais emergentes) em Seul.

“É necessário que haja acordos sobre as divisas, senão esta situação levará ao protecionismo”, e prejudicará muitas economias, disse Mantega.

No entanto, Lula mostrou-se compreensivo com Washington e descartou pressionar a Casa Branca: Não acho que devemos pressionar os EUA, estas coisas não funcionam assim. Os EUA adotaram essa medida com base em sua visão do problema. Vamos respeitá-los, mas pedimos que eles se responsabilizem, declarou Lula.

Deputados protocolam pedido de reajuste do mínimo para R$ 580

Proposta original do Executivo prevê reajuste para R$ 538,15.
Eles também pedem 9,1% a aposentado que ganha acima do mínimo.

Fonte:  Do G1, em Brasília

Deputados ligados às centrais sindicais protocolaram nesta quarta-feira (10) duas emendas na Comissão Mista do Orçamento que preveem o reajuste do salário mínimo para R$ 580 em 2011 e que concede reajuste de 9,1% aos benefícios de aposentados e pensionistas que recebem mais de um mínimo.

Os parlamentares realizaram na tarde desta quarta-feira reunião no gabinete da presidência da Câmara com representantes do Sindicato Nacional dos Aposentados para tratar do reajuste do mínimo.

Depois, os parlamentares – entre eles Paulinho da Força (PDT-SP), presidente da Força Sindical, e Marco Maia (PT-RS) – entregaram ao presidente do senado, José Sarney (PMDB-AP) o pedido de aumento maior  do que o previsto pelo Executivo na proposta de Orçamento encaminhada ao Congresso. Pela proposta original, o mínimo passaria de R$ 510 para R$ 538,15.

O reajuste proposto pelos deputados, para os R$ 580, pode causar um impacto de R$ 16 bilhões nas contas do governo, segundo cálculo de Paulinho. “Se na proposta orçamentária estão previstos R$ 8 bilhões para o salário mínimo, com essa proposta esse valor dobra. Vai a uns R$ 16 bilhões”, disse.

Salário de R$ 600
A oposição também já protocolou pedidos de reajuste para o salário mínimo maiores do que a proposta do Executivo. Nesta quarta, o deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC) apresentou emenda ao Orçamento que eleva o salário mínimo para R$ 600.

O valor já foi citado pela presidente eleita, Dilma Rousseff, como possível de ser atingido no final de 2011 e começo de 2012. “O salário mínimo deve estar acima de R$ 600 no fim de 2011”, afirmou no último dia 3, em entrevista coletiva.

Dilma defendeu o critério atual de reajuste do mínimo, baseado na inflação e no crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB), mas afirmou que pode estudar meios de compensar o pequeno reajuste previsto para 2011 em decorrência do baixo crescimento da economia em 2009.

Um dia depois da fala de Dilma, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, afirmou que o salário mínimo em 2011 deve ficar entre R$ 560 e R$ 570.

Porém, o relator do Orçamento de 2011, senador Gim Argello (PTB-DF), anunciou que pretende ao menos arredondar de R$ 538,15 para R$ 540 o salário mínimo para o próximo ano. As centrais sindicais, no entanto, querem que o reajuste eleve o salário para R$ 580, além dos 9,1% para os aposentados e pensionistas que recebem benefícios acima do mínimo.

Em Seul, Obama defende injeção de US$ 600 bilhões na economia

Ele disse que EUA contribuem com mundo se tiverem economia sólida.
Países viram medida como manobra para beneficiar exportações dos EUA.

Fonte:  EFE  Agências Internacionais / G1.com -Imagem EFE

  O  presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu nesta quinta-feira (11) a decisão do Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano) de injetar liquidez na economia americana e assegurou querer “encorajar o crescimento de maneira prudente e estável”.

“A melhor contribuição ao crescimento mundial que os EUA podem dar é uma economia sólida. Seguimos sendo o maior mercado do mundo e um imenso motor de crescimento”, declarou Obama em entrevista coletiva conjunta com o presidente sul-coreano, Lee Myung Bak, após uma reunião bilateral e um almoço de trabalho.

A decisão do Fed, que injetará US$ 600 bilhões na economia, foi recebida com duras críticas por vários países, que consideram a medida como uma manobra para desvalorizar o dólar e, consequentemente, beneficiar as exportações americanas.

Apesar das críticas, Obama previu que a cúpula do G20 (grupo que reúne os países ricos e os principais emergentes), que começa nesta quinta em Seul, alcançará “um acordo amplo por parte de todos os países para garantir um crescimento equilibrado e sustentado”.

Os EUA reivindicam que os países se comprometam a colocar limites ao déficit ou ao superávit de suas balanças por conta corrente, uma proposta recebida com frieza pela Alemanha.

A chanceler alemã, Angela Merkel, declarou nesta quinta que “o Estado não pode intervir” nas ações dos atores do mercado, ao tempo que rejeitou qualquer recurso a “medidas protecionistas”.